Os fétidos tons marrons do “novo” signo

SOBRE O BOATO DO NOVO SIGNO DO ZODÍACO
Imprensa e pseudo-produção científica: fétidos tons marrons

Nesta última semana, seis pessoas me enviaram e-mails perguntando sobre a mais nova notícia sensacionalista – e acrescento: falsa – que vem correndo na mídia sobre a suposta “descoberta” de um novo signo, entre Escorpião e Sagitário. Como essas seis, várias outras pessoas podem estar com a mesma dúvida e assim como respondi às primeiras com algumas explicações com base histórica, aqui faço o mesmo com o acréscimo de outros dados. Infelizmente isso que podemos tranquilamente chamar de boataria e sensacionalismo barato nos dá um certo trabalho de esclarecimento. É uma perda de tempo por um lado, rebatendo inverdades a respeito da prática e das concepções astrológicas, mas por outro é uma oportunidade de ressurgirmos no mainstream das mídias. O grande problema aqui é que esse esclarecimento já havia sido feito há mais de 15 anos, como veremos adiante, sobre A MESMA QUESTÃO. Repetir a dose dessas informações sem qualquer fundamento é um verdadeiro deboche para com o público telespectador e leitor.

image

Prezados, essa história do décimo terceiro signo, creiam, é mais velha que a bisavó do Ptolomeu. Inventaram agora que um astrônomo estadunidense, Parke Kunkle,”descobriu recentemente” o Esculápio ou Ophiuco (Serpentário), que é uma constelação cuja extensão ocorre bem próxima da eclítica, o caminho aparente do Sol, que corresponde à faixa do Zodíaco. Acontece que Kunkle não pode ter descoberto isso agora porque isso já se sabe há muito tempo. Já afirmei acima: essa falsa polêmica há mais ou menos uns 15 ou 16 anos já tinha sido propagada em jornais, revistas e TV’s. Aqui no Brasil, entre outros programas, a questão fora vista até mesmo numa audiência como a do Fantástico ou do Globo Repórter.

Uma baboseira que não considera que o zodíaco utilizado pelos astrólogos ocidentais é o zodíaco tropical, o que é concebido segundo as estações do ano em conformidade com o hemisfério norte, onde esse simbolismo se originou. O zodíaco tropical difere grandemente do zodíaco sideral, o das constelações, sendo que um e outro só coincidiram em parte cerca de dois mil anos antes da era comum e mesmo assim, como disse, não totalmente: o tamanho das constelações e dos signos nunca foram os mesmos, nunca houve uma equiparação total entre uma coisa e outra desde as primeiras concepções do zodíaco astrológico, excetuando-se os nomes das constelações que entre outros atributos, tinham algumas estrelas que serviam de referência para a mudança das estações e seu decorrer.

O zodíaco tropical é construído matemática e arbitrariamente de forma a ajustar-se a calendários como os caldaicos, sumerianos e egípcios, com seus 360 dias e 5 dias que miticamente se atribuíam ao influxo dos deuses no mundo criado (veja bibliografia ao final). Esses 360 dias são divididos por 12 em função de alguns princípios fundamentais, entre eles:

a) o ingresso de uma estação do ano, seu ponto culminante e sua transição para a estação seguinte, o que caracteriza uma divisão da estação em três períodos. São 4 estações, cada uma possuindo 3 períodos de um mês, resultando em 12 períodos de tempo divididos igualmente. A origem dessa divisão equânime obedece a uma concepção de universo e meio ambiente que parte dos sumerianos e de outros povos a eles próximos no tempo, cujas sociedades desenvolveram-se até atingir as chamadas “cidades-estado-hieráticas”. Estas sociedades não apenas herdaram do paleo e do neolítico muitas práticas de sobrevivência e convivência, como sistematizaram e deram complexidade às concepções do sagrado. Assim, o universo é concebido por esses povos como uma espécie de manifestação da ordem divina sobre o caos, um elemento de inteligibilidade que permite, isomorficamente (por analogia), organizar a vida concreta abaixo do céu.

b) o próprio processo de formação desse zodíaco das estações do ano, que entre os sumérios obedece ao sistema sexagesimal por eles desenvolvido para calcular a passagem do tempo e, de certa forma, comungar com os deuses naquele período das primeiras produções escritas em cuneiforme. O dia de 24 horas é um múltiplo de 6 (6 X 4), enquanto a hora, com 60 minutos e tudo o que dali decorre pertence a essa concepção. A divisão por 12 do zodíaco provém dali, com seis eixos interdependentes marcados pelos signos e suas polaridades. Os gregos sistematizaram ainda mais o sistema de divisão do céu cujos princípios herdaram daquelas primeiras visões. Nota-se claramente uma contribuição do pensamento pitagórico na geometria e na divisão exata de 30 graus para cada signo, encaixando-os numa perfeita circunferência, que no final é uma forma de representação do infinito e de muitas considerações acerca de uma consciência divina.

Desse modo, a inclusão de um novo signo não possui a menor pertinência para esse modelo, que perderia todo e qualquer sentido na relação do ser humano e seu ambiente com o universo percebido. Mas é precisamente isso o que tal tipo de falsa descoberta quer incutir na mentalidade do leitor. Ora, a constelação do Esculápio, também conhecida como Ophiuco (o serpentário), já era conhecida dos astrólogos-astrônomos há milênios. Claudio Ptolomeu, que viveu no século II da era comum, e cujas obras, como o Tetrabiblos e o Almagesto, nortearam a astronomia até Copérnico, obviamente conhecia essa constelação, tanto que a incluiu, e às estrelas que a formam, em suas obras. Entretanto ele mantém a divisão hierática do céu zodiacal, mantendo Ophiuco junto às constelações não-zodiacais, até porque de fato apesar da proximidade e de uma parcela dessa constelação chegar a tocar a eclítica, grande parte dela está fora do “caminho do sol”.

Sendo assim, as reportagens e o astrônomo que diz ter “descoberto” essa suposta “falha” no sistema astrológico estão completamente equivocados quanto ao próprio sistema astrológico e seu processo formador, sua lógica interna, sua linguagem, entre tantas outras características próprias da astrologia. Ao se tomarem por precisos e rigorosos com o modelo científico, estão, ao contrário, sendo totalmente a-científicos ao julgarem de antemão um tema que parecem desconhecer por completo.

Enfim, é como um geógrafo dizer para um médico que se ele não usar os conceitos geográficos sobre clima para curar um paciente epilético, jamais terá sucesso. Em outras palavras, não tem nada a ver.

Alguns astrônomos (não todos) parecem também querer assumir uma postura de deuses com tudo isso. Suas palavras seriam leis no sentido cósmico, que alteram processos conhecidos e fazem “deixar de funcionar” aquilo que decretam. Dúvidas muito semelhantes foram difundidas com a alteração da classificação de Plutão. Teve gente que achava que tinha que retirar tudo o que fora dito pelo astrólogo a respeito de Plutão porque os astrônomos decidiram que ele não era mais planeta. Com a retomada dessa velha e, repito, falsa polêmica, é mais ou menos a mesma coisa: os sujeitos só querem desacreditar astrólogos e tudo o mais, confundindo as estações. Nossa… que poder divino tem esse astrônomo…! Se for assim mesmo ele deveria candidatar-se a fundar uma nova religião, já que deve ser Deus ou algo parecido…

Em tempo, hoje também li, no blog “Devir”, do astrólogo Alexey Dodsworth, uma indignação semelhante, talvez ainda pior, já que seu esclarecimento feito para a revista “Veja” foi podado de modo gritante. Dodsworth postou uma mensagem a respeito, apresentando, inclusive, a imagem da capa da “Revista da Folha”, do jornal “Folha de São Paulo”, de 16 anos atrás, com, pasmem, a mesma manchete! Como disse antes: como fedem os tons amarronzados do sensacionalismo!

Seguem, abaixo, duas referências bibliográficas interessantes a respeito e de bem fácil aquisição:

CAMPBELL, Joseph. As máscaras de Deus v. 2 e 3. São Paulo: Palas Athena, 2010.

STUCKRAD, Kocku von. História da astrologia: da Antiguidade aos nossos dias. São Paulo: Globo, 2007

Atenciosamente,

Carlos Hollanda

Anúncios

Lute! 2013 tem prevalência de Marte!

LUTE! Faça disso um mantra. Tenha bom senso e seja capaz de oferecer carinho as pessoas, mas nao pare de lutar. Esta deprimido? LUTE! Brigou com o chefe, a namorada, os pais, os amigos? SIGA EM FRENTE! Construa algo, dê-se o presente de satisfazer uma ou mais de suas mais acalentadas vontades. Uma raiva descontrolada e sempre prejudicial, mas a raiva sob dominio é força, é libertadora, destroça os sofrimentos e pieguices inúteis, é a bênção do movimento, de sair da inércia, de conquistar o alívio da autenticidade e da independência. As coisas estão impossíveis? Você sente que nao pode controlar as circunstâncias ou sua própria vida? LUTE! Não ceda à voz covarde do derrotismo que corrói sua felicidade e elimina as possibilidades de atingir suas metas. Algumas pessoas se magoaram no caminho? Tente atenuar o problema, dê um pouco de si, de seu amor a tais pessoas, mas lembre que  você não tem o poder de sustentar toda a felicidade do mundo em suas costas, isto é, você não é responsável pela felicidade que cada um deve construir para si próprio. Mas a sua, ah, a sua só você pode fazer, mesmo diante das piores condições, aquelas que literalmente limitam, mas sem lutar as limitações não invadem apenas as condições físicas e sociais, é muito pior: sem lutar, as limitações invadem e escravizam sua alma. Não é preciso lutar independentemente das consequências, os fins não justificam os meios, nem é preciso destruir os outros para vencer. No entanto, diante da inércia dos demais, aja, dentro da ética, mas aja e faça aquilomque você realmente deseja, não aquilo que o mundo vive te impondo e que te deixa infeliz, frustrado. Então LUTE, procure ser feliz. Em 2013, o planeta Marte regerá a dois planetas lentos, Saturno e Urano, ambos nos marciais signos de Escorpião e de Áries. Esse mantra é o mantra de Marte, o guerreiro que reside dentro de cada um.

por hollanda01 Postado em artigos

Insight rápido

A leitura astrológica não necessariamente aponta para viradas magistrais na vida ou para acontecimentos extraordinários, daqueles que vemos no cinema. Nossa vida mediana tem tantas particularidades e experiências importantes no cotidiano quanto teria a de memoráveis personagens históricos. Num Retorno Solar, por exemplo, na semana em que o Marte e o Netuno daquele ano são “acionados” mais intensamente, pode-se simplesmente ver mais filmes de ação, andar de montanha russa, brincar em parques de diversão (Disneylândia e similares, em alguns casos) e errar o caminho até mesmo usando GPS (ele pode dar algum defeito). As pequenas coisas, juntas, formam grandes experiências. E elas podem ser ótimas!

Durer_astrologer

Cordialmente,

Carlos Hollanda