EUA X IRÃ e os eclipses.

Em 26/12/2019 ocorreu o eclipse solar anular, cuja sombra passou nas regiões indicadas na imagem que acompanha este post. Note que, inclusive, o Irã está entre os países que estão sob essa sombra. Como venho afirmando em diferentes palestras e vídeos, efeitos nefastos não ocorrem 24 horas por dia todos os dias do ano e em todos os lugares, mas certamente ocorrerão em localidades e coletividades cujos contextos as tornam uma espécie de ponto focal, o elo mais fraco de uma corrente em que as tendências gerais se manifestam mais facilmente e quase sem “filtro”.
Acompanham a imagem do eclipse, os gráficos com os mapas do Irã (carta do retorno do Ayatolá Khomeini a Teerã, em 1979, via artigo da “Astrology Weekly”), outra da declaração da República Islâmica do Irã (via “Astrotheme”) e dos Estados Unidos (mapa concordante com o “Astrodatabank”, embora com diferença de poucos graus para o Ascendente).
Os três estão nos círculos centrais desses gráficos, enquanto o eclipse e demais posições planetárias daquele momento estão no círculo externo. Notem que, para todos os mapas, o fenômeno ocorre em casas angulares: os EUA, na 1, o Irã da chegada de Khomeini, na 10 e o da República Islâmica na 1, como os EUA, cujas casas encontram-se em graus próximos e nos mesmos signos.
Quem utiliza Quiron em suas leituras, há de reparar que o mesmo fazia conjunção com o Ascendente (imagem da nação) da chegada de Khomeini e na casa 4 (território nacional) da República Islâmica, tendo recentemente, nesse último, feito uma conjunção com Mercúrio e Marte, já se encaminhando para uma conjunção com o Sol. Os trânsitos de Quíron costumam estar enfáticos em momentos críticos e catastróficos, no coletivo.
Tanto no mapa dos EUA quanto nos dois do Irã aqui apresentados, há uma forte relação Marte-Lua. No do Irã/Astrology Weekly (chegada de Khomeini), o eclipse ocorre em quadratura com a Lua em Áries (signo regido por Marte) em conjunção com o Ascendente. No do Irã/Astrotheme (República Islâmica), Marte do momento do eclipse fazia uma oposição à Lua radical. No mapa dos EUA, Marte fazia quadratura com a Lua radical. Em dois desses mapas a Lua rege a casa 8, das perdas e crises. Curiosamente, se for feito um pequeno ajuste de horário, ambos os mapas, EUA e República Islâmica do Irã, podem ter seus Ascendentes sobre a estrela Antares, o coração do Escorpião, uma estrela considerada por diferentes autores (Robson, Ebertin, Manilius – sobre a constelação inteira) como bastante violenta, com traços militares bem visíveis, sendo uma das poderosas “Estrelas Reais da Pérsia” e, portanto, muito relevante em seu simbolismo de Rei, Herói e Guerreiro. Porém, essa estrela faz a referida conjunção somente se os horários aqui indicados estiverem mais próximos do grau em que a mesma estava naqueles momentos. De qualquer forma, pode-se esperar o óbvio: retaliações, novos ataques, seja no Irã, seja nos EUA e em embaixadas. Os eclipses de 2020 atingirão em cheio esses mapas.
Entenda um pouco mais sobre os efeitos dos eclipses de 2020 (e também o de dezembro de 2019), assistindo ao vídeo do link que se segue: https://youtu.be/jrLUV4vwG0g
Entenda como funcionam os eclipses em geral, suas raízes simbólicas e efeitos possíveis, no vídeo deste link a seguir: https://youtu.be/U9SKZ_eEWSo
*.*
Quer aprender Astrologia? Conheça o Sistema de Ensino à Distância e o Ambiente Virtual de Aprendizagem dos workshops e formação:
Quer cursos presenciais? Fique com a atenção ligada na PROGRAMAÇÃO: