A tragédia em Brumadinho – MG

A Vale do Rio Doce foi fundada em 01/06/1942, em Itabira-MG. 
Não disponho do horário. Se algum colega o tiver e puder compartilhar, agradeço.

A empresa também teve algumas reformulações, como quando passou a se chamar somente Vale, portanto, é passível de ter algum outro mapa válido. O mapa da privatização será analisado posteriormente. Essa análise será publicada em outro post.

Com o mapa da fundação, é possível verificar uma correspondência com a tragédia em Brumadinho: Saturno e Plutão em Capricórnio encostam na Lua do mapa radical. Igualmente, O último ECLIPSE SOLAR, ocorrido em 06/01/2019, aos 15 graus de Capricórnio, também é associável ao evento. Se a Lua radical estiver mesmo perto dos 15 graus o eclipse a pegou em cheio.

Como não há horário, o gráfico que acompanha este post é calculado para o meio-dia e é feito pelo esquema do mapa solar, situando, arbitrariamente, o Sol como um ascendente e com as casas iguais de 30 graus derivadas da posição do Sol. A Lua, nesses casos pode ter sua posição diferente da que está aqui. Ela muda de grau a cada duas horas, aproximadamente.

Solidariedade para com as vítimas do lamentável ocorrido.


O mapa da cidade de Brumadinho – MG e o mapa do momento do rompimento da barragem da Mina Feijão, divulgado pela Imprensa. Esperem outros desastres ao redor do mundo.

Eis aqui um dos efeitos possíveis de Júpiter em quadratura com Netuno. É um aspecto que, entre outras possibilidades, comporta a de enchentes, sendo que Netuno atualmente está transitando sobre a estrela Achernar, tradicionalmente associada a eventos do tipo.

Essa quadratura entre planetas em trânsito – no caso Netuno, Júpiter e Vênus no céu atual – atinge o Mercúrio da cidade.

Novamente se confirma minha hipótese de que em situações calamitosas, com grande mortandade, sejam elas criminosas ou naturais, Kiron se encontra em posições cruciais do mapa. No caso do momento em que a barragem se rompeu, a Lua fazia oposição a esse fator e a Marte (planeta que rege o ferro – eis o vínculo com o minério de ferro da barragem).

No mapa do ocorrido, Vênus é o planeta dispositor do Ascendente e está envolvido na já citada quadratura com Netuno, o que reforça o caráter de dissolução e vitimização, sendo que está na casa 8, a casa das perdas e grandes transformações (voluntárias ou fortuitas).

Vários aspectos que correspondem a situações dramáticas envolvendo os elementos da tragédia, como desabamentos, destruição por água, soterramento, lama e ferro, estão já com órbitas separativas, isto é, os aspectos já haviam ocorrido em sua exatidão um pouco antes, talvez alguns dias. É possível que isso seja indicador de que o problema que levou a tamanho desastre já estivesse prestes a eclodir. Esses aspectos seriam os seguintes:

A Lua em trânsito em conjunção com Netuno radical e em quadratura com o Sol radical no dia anterior.

Uma semana antes, Marte em trânsito fizera conjunção com Saturno radical da cidade.

Mercúrio em trânsito fizera, um dia antes, uma oposição com Plutão radical e o Sol fizera o mesmo 4 dias antes.

Kiron em trânsito saíra há pouco tempo de uma órbita de quadratura com o Sol da cidade.

Urano em trânsito em fins de 2018, ingressara em Touro e, por órbita de aspecto, fizera uma oposição com Marte. Essa oposição tornará a ocorrer em fins de março de 2019. E durará até abril de 2020. Este trânsito, o de Netuno e o de Plutão, aliás, são os únicos que nunca ocorreram nesses pontos do mapa de Brumadinho. Isso é uma particularidade deste momento.

Até aqui, podemos dizer que os demais trânsitos, sobretudo os mais velozes, ocorrem todos os anos, enquanto os da Lua ocorrem todo mês. Não há novidade e não necessariamente ocorrem calamidades só por que esses movimentos planetários ocorrem. No entanto, eles estão todos combinados em épocas muito próximas e ocorrem sobre o mapa da cidade simultaneamente a grandes configurações com planetas lentos, como Saturno e Plutão. Estes últimos, embora ainda relativamente distantes um do outro em órbita de longitude (Saturno a 14 de Capricórnio e Plutão a 21 graus do mesmo signo) já estão em conjunção no céu. São dois planetas cujos contatos mútuos são tremendamente tensos. Para se ter uma idéia, tiveram outro contato tenso na oposição que fizeram em 2001 e se encaixam perfeitamente no momento do atentado às Torres Gêmeas, além da guerra que se seguiu. Tanto Saturno quanto Plutão estão diretamente associados ao subsolo, mineração e a soterramentos, desabamentos. Saturno está a apenas um grau de distância do último eclipse solar de 6 de janeiro, que se formara enquadrado entre Saturno e Plutão, a 15 graus de Capricórnio. A proximidade de fatores em movimento com o grau do eclipse têm efeito disparador de eventos.

Podemos esperar outras situações similares ao redor do mundo, em locais que, como Brumadinho, funcionam como um elo mais fraco de uma corrente de possibilidades. Ali, onde as condições mais favorecem o desastre é que a potencialidade se torna concreta. Finalizando, quem conhece aspectologia em leituras astrológicas, verá claramente a quadratura que Saturno e Mercúrio fazem com Marte do mapa do rompimento, sendo Marte, como dito, regente do ferro. Mais ainda, há a quadratura “T” envolvendo o principal de todos os gatilhos, a Lua, com Júpiter-Vênus e Netuno (Águas), respectivamente em Gêmeos, Sagitário e Peixes, o que sugere os impedimentos no ir e vir, as dissoluções e os prejuízos para as famílias, sociedade e país. O Sol também já formava a quadratura com Urano (eventos repentinos, destruições).

Torcendo aqui para que toda a dor e sofrimento sejam reduzidos o quanto possível para as famílias das vítimas. Fica aqui também a dica para outras localidades com potenciais semelhantes refazerem suas manutenções preventivas e que as fiscalizações se tornem ainda mais rigorosas, tanto com a segurança do meio ambiente quanto para com a população e funcionários das empresas.

OBS.: O mapa radical de Brumadinho apresentado aqui é calculado para meio-dia e é construído conforme a técnica do Mapa Solar, situando o Sol como uma espécie de Ascendente e dele derivando casas iguais de 30 graus. Caso alguém possua o horário da fundação da cidade, agradeço se puder compartilhar.

Anúncios

Quer participar de cursos, workshops e palestras do Carlos Hollanda?

Participe da enquete disponível no Facebook.
Queremos saber se você prefere participar de eventos online ou presenciais. Vota lá!
Participe também da nossa pesquisa para indicar os temas de sua preferência. Em breve, o curso, o workshop e a palestra de seu interesse podem estar na nossa programação.
Acesse Agenda Cursos 2019 frequentemente para saber mais sobre os novos eventos disponíveis.
Acompanhe o Carlos Hollanda nas redes sociais:
https://www.facebook.com/astrologiacarloshollanda1/
https://www.instagram.com/hollanda1/
https://twitter.com/carlos_hollanda

Uerj – Curso “OS SÍMBOLOS SAGRADOS DO CÉU”

“OS SÍMBOLOS SAGRADOS DO CÉU”

O SIMBOLISMO MÁGICO, ALQUÍMICO E COSMOLÓGICO/ASTROLÓGICO NAS REPRESENTAÇÕES ANTIGAS E CONTEMPORÂNEAS, NOS RITOS INICIÁTICOS E NOS CICLOS PLANETÁRIOS EM TEORIA E PRÁTICA

Prof. Carlos Hollanda

  • Período: de 13 de março a 11 de setembro de 2019
  • Quartas-feiras
  • Das 18 às 21h.
  • CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 HORAS 
  • LOCAL: Rua São Francisco Xavier, 524, Maracanã – Portão 07, Av. Radial Oeste – Centro Profissional.
  • Investimento: 6x R$ 145,00 (mensais por pessoa)
  • Inscrições pelo site da Uerj
  • Contatos com o prof.: carlos-hollanda@hotmail.com ou (21) 98827-9999.

Envolvendo estudos de Astrologia, Kabbalah, Tarot e Mitologias Comparadas, o curso apresenta referenciais literários, traduções de obras de filósofos neoplatônicos e neopitagóricos, entre os astrólogos “helenistas”, entre eles Claudio Ptolomeu, Vetius Valens, Dorotheus de Sidon. O início se dá com um estudo sobre as raízes do mito pelo olhar antropológico e também esotérico. Outros assuntos bastante trabalhados no curso: o simbolismo iniciático de Elêusis, os mistérios órficos, simbolismo kabbalístico e o mapa onírico do céu como base; as representações do Cosmo entre macro e microcosmo desde em construções medievais até, e sobretudo, as renascentistas e barrocas; a Alquimia seiscentista e setecentista, seu simbolismo iniciático e astrológico; o misticismo e o magismo do século XIX, que visava fazer frente às posturas pré-científicas e científicas na transição dos séculos XVII e XVIII, numa espécie de “reencantamento do mundo”; a chegada das grandes mídias e as ondas sincréticas entre o misticismo europeu e oriental, na difusão dos saberes antigos, de forma resumida ou coisificada para as massas; o extrato dessas ondas nas práticas mais fechadas entre os intérpretes de símbolos contemporâneos; as práticas em si, com exemplos de análises astrológicas e interpretações de lâminas do Tarot (com diferentes baralhos) e as correspondências entre ambas as artes..

  • APRESENTAÇÃO:

Curso a ser ministrado sob a Coordenação do PROEPER/CEPUERJ, com um trabalho de análise e decodificação das representações visuais do Cosmo, de simbolismo da Alquimia e discurso Mágico-Kabbalístico de diferentes épocas, com breves percursos entre a Antiguidade, a Idade Média e a Modernidade, mostrando, ainda, os paralelos contemporâneos dessas representações ressignificadas por obras de cultura de massas e sistemas hermenêuticos que preconizam o uso de tais símbolos.

O curso visa principalmente atender aos trabalhos que são desempenhados pelo CCS (Centro de Ciências Sociais), no que tange, junto ao PROEPER (Programa de Estudos e Pesquisas das Religiões), temáticas referentes à cultura do esoterismo da atualidade, permitindo discernir parte considerável de suas raízes históricas, culturais e seus usos ressignificados pelos sujeitos e agentes sociais contemporâneos.

  • OBJETIVO GERAL:

Mostrar as principais razões simbólicas que constituem o legado cultural de diferentes concepções antigas, quer sejam gregas, babilônicas, egípcias, e romanas, entre sincretismos, apropriações e ressignificações das mesmas ao longo dos séculos, mas, sobretudo, desde o século XIX na Europa, e seus usos contemporâneos no Ocidente.

  • JUSTIFICATIVA:

A importância e a necessidade da implantação deste curso se devem inicialmente ao fato de que há uma grande procura, sobretudo na Internet, em redes sociais e, igualmente, em círculos fechados, quer sejam sociedades secretas (rosacrucianismo, maçonaria, gnosticismo, neopaganismo), quer sejam entre grupos independentes ou entre indivíduos, por esclarecimento dentro desses campos. A procura, que quase sempre demanda movimentação financeira ou o uso de espaços midiáticos como forma de propagação aliada ao oferecimento de serviços, tem sido cada vez maior, proporcionalmente ao aumento de acesso à internet por diferentes camadas da população em vários países. O Brasil, que possui um dos maiores índices de participação em redes sociais no mundo, é particularmente afetado pelo uso e, da mesma forma, pela desinformação a respeito desses temas.

Assim, difundir este curso dentro de uma universidade pública como a UERJ, com o pioneirismo da instituição e, mormente, do PROEPER, além de ser um reconhecimento a tais legados ocidentais imersos na cultura brasileira por meio das mídias e de publicações muito propagadas entre grupos iniciáticos ou esotéricos, permitirá o acréscimo de um novo olhar e um melhor senso crítico sobre essas representações, enquanto cria condições para novos e mais profundos estudos acadêmicos futuros sobre tais assuntos. Da mesma forma, estando essa cultura sincrética, ressignificada e, muitas vezes, deturpada entre vários setores da sociedade, o curso cumpre o propósito de lançar luz sobre aspectos negligenciados das práticas e representações contemporâneas que servem de base para comportamentos de diferentes grupos, suas identidades e suas formas de consumo. Por fim, as demonstrações e práticas em sala de aula com as técnicas e os pressupostos astrológicos visam proporcionar aos participantes experiências mais diretas com o que realmente é possível fazer em leituras do tipo.

  • CADERNO PROGRAMÁTICO:

Resumos de Mitologia/ História dos Símbolos e Idéias Religiosas/ Filósofos e práticas mágicas/ O conteúdo iniciático: origens e templos/ as concepções de céu e as práticas derivadas/ Humanismo e simbolismo celeste/ Artes e misticismo/ Alquimia e a pedagogia da Alma/ Magia e Ciência/ Mídias e representações alquímicas/ Astrólogos, gurus, o céu interior, sincretismos e ressignficações nas leituras e expressões terapêuticas atuais/ Aplicações (leituras de Mapas Astrológicos e Tarô) em sala.

  • METODOLOGIA:

Aulas expositivas com acompanhamento de slides em powerpoint e observação do céu em datas programadas durante o curso.

***************************

Diretor do Centro de Ciências Sociais: Professor Domenico Mandarino

Coordenação: Professoras Edna Maria dos Santos e Telma Rosina Simoni da Gama

Facilitador: Prof. Dr. Carlos Manoel de Hollanda Cavalcanti

CERTIFICADOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EXPEDIDOS PELO CEPUERJ/UERJ